summary_large_image
RUI COSTA EM INVERSÃO DE ESTRATÉGIA
Rui Costa parece ter fintado tudo e todos e não só não vendeu Enzo Fernandez como reforçou substancialmente a equipa.
21 Jan 2023, 10:00

Quando começaram a surgir as notícias que choviam propostas de 120 milhões por Enzo Fernández, muitos se questionaram se era possível o SL Benfica rejeitar uma proposta dessa ordem de magnitude por um jogador. Outros perguntavam-se se o SL Benfica não poderia ficar mais forte vendendo um jogador que poderia já estar com a cabeça noutro sitio e usar esses recursos em contratações cirúrgicas que pudessem trazer ainda mais valor acrescentado à equipa. Outros ainda diziam que não se vendia e pronto, porque qualquer mexida a meio da época seria sempre má porque o histórico de contratações de inverno assim o mostra.

Rui Costa parece ter fintado tudo e todos e não só não vendeu Enzo Fernandez como reforçou substancialmente a equipa. Enzo, cuja cabeça estaria definitivamente já fora do SL Benfica, foi apenas passar a passagem de ano à Argentina e mal voltou resolveu o problema com mais um golo e uma excelente exibição, apontando para o emblema ao mesmo tempo que diz que fica. O adepto pode não esquecer, mas perdoa. Assim Enzo continue no mesmo registo. Ao mesmo tempo, Gonçalo Guedes é claramente um reforço para uma equipa que apenas tinha Rafa e Neres como ‘abre-latas’. Schjelderup e Tengstedt são jogadores que vêm de campeonatos menos competitivos, mas com números que entusiasmam (quanto mais não seja os números pagos por eles) e que vêm reforçar uma equipa que ofensivamente estava em défice de desequilibradores.

Jogar ao Totobola à segunda-feira é fácil. No fim da época, não faltarão adeptos cujos resultados estarão de acordo com o que vaticinaram agora. O difícil é decidir sem saber o futuro. Rui Costa não saberá se Enzo manterá o rendimento, não saberá se os reforços virão acrescentar valor, ou sequer quanto custará em futura capacidade competitiva a não venda de Enzo. Mas ninguém tem dúvidas que Rui Costa arriscou e decidiu não só não sacrificar competitividade desportiva no imediato, como potenciá-la. Em clara inversão de estratégia de tempos idos(?) e que entusiasma os adeptos. Nunca mais chegam as 18 horas de sábado.

  Comentários