summary_large_image
VENDER OU NÃO VENDER, EIS A QUESTÃO
A pergunta difícil de responder é como é que o Benfica fica mais forte: manter Enzo até ao fim da época; ou, vendendo, conseguir reforçar o plantel de forma a dar-lhe maior capacidade
31 Dez 2022, 18:00

O assunto do momento no SL Benfica é a potencial venda de Enzo Fernández. A sua prestação no Catar catapultou-o para níveis de valorização estratosféricos pelo que a única coisa que verdadeiramente se discute no momento é se a sua venda será agora ou se Rui Costa conseguirá manter o jogador até ao Verão.

Há duas semanas escrevi aqui (Saiba mais AQUI) que esta é a maldição que temos pelo grosso das receitas do SL Benfica ainda virem do mercado doméstico. Portugal é muito pequeno face a outros mercados e apenas uma elevada concentração de adeptos tem permitido que os nossos “grandes” consigam competir com outros clubes de países com mercados bem maiores. Como esta realidade não mudará no curto nem no médio prazo, temos de nos conformar com a realidade.

A equipa do Benfica fez uma primeira parte da época fantástica, o segundo melhor arranque da história segundo algumas parangonas que anteciparam o jogo de ontem. Mas a realidade bateu com estrondo, ao mesmo ritmo que os golos iam entrando na baliza do SL Benfica. Se a derrota num clube como o SL Benfica é sempre um problema, maior problema ainda foi como se perdeu. Porque o SC Braga foi melhor equipa durante os 90 minutos. Não houve nenhuma parte do jogo em que o Benfica tenha estado por cima. Ou seja, a uma incapacidade dos que estavam em campo de serem melhores, juntou-se uma incapacidade de quem entrou de inverter o rumo do jogo. O Benfica tem um excelente onze, mas tem alguns problemas para sacar do banco quem possa fazer a diferença num dia em que os que começam estão menos inspirados. Tem apenas Rafa e Neres com capacidade de desequilibrar no um para um e dar velocidade ao jogo, criando desequilíbrios individuais quando o coletivo está em dia não.

Vem isto a propósito de Enzo. O futuro a Deus pertence, mas é difícil imaginar que Enzo se possa valorizar mais. Creio que nenhum adepto do Benfica quer ganhar o campeonato dos relatórios de contas. Todos os adeptos querem a glória desportiva e não a glória financeira. Mas a glória financeira, não sendo um fim, é um meio. A pergunta difícil de responder é como é que o Benfica fica mais forte: se mantendo Enzo até ao fim da época; se, vendendo Enzo pelos valores que se fala, consegue com essa verba reforçar o plantel de forma a dar-lhe uma maior capacidade competitiva do que a que tem agora. É uma pergunta muito difícil de responder e cuja resposta será ainda mais difícil de explicar aos adeptos. Não quereria estar na pele de Rui Costa.

PS: na semana passada falei da “doença” que aflige muitas equipas (Saiba mais AQUI)– uma obsessão pela posse e pela progressão coletiva na zona central, afunilando o jogo e motivando inúmeras perdas de bola que geram sempre transições rápidas ao adversário com perigo. O Benfica cai amiúde nesse tipo de situações, como se viu na primeira parte. Schmidt tentou inverter nos últimos 45 minutos,mas não tem plantel para isso, uma vez que apenas Rafa consegue dar profundidade, velocidade e desequilibra nos duelos individuais, e Neres estava fora. Mais uma variável a acrescentar à equação acima, que Rui Costa e Roger Schmidt têm para resolver.

  Comentários